quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Globo deve pedidos de desculpas a todas as Palomas




Paloma é a bola da vez, é a nova febre dos desocupados que não tem nada mais interessante a fazer do que assistir filmes pornôs ou vídeos íntimos vazados na internet. E assim como Fran, Thamiris e tantas outras garotas que tiveram suas intimidades expostas, ela também se tornou alvo de apontamentos, julgamentos, críticas e humilhações, ou seja, se tornou vítima de toda espécie de linchamento moral. 
paloa
Mas, o que Paloma fez de errado? Absolutamente nada. Nenhuma garota que teve sua intimidade exposta fez algo de errado. Sexo? Todas fazemos. Filmar ou se permitir filmar ou fotografar? Quem jamais? Confiar? Quem nunca confiou e foi traída? Então o que há de errado? 
Com quem sofre linchamento moral em praça pública – atualmente o ambiente virtual – por conta de sexo não há nada de anormal ou errado. Há de muito errado na quebra de confiança, na deslealdade, no machismo. A confiança é a estrutura base de todas as relações sociais. Sem confiança não é possível existir relação. Nem mesmo comercial. Portanto o erro é de quem abusa da confiança de uma mulher para expor sua intimidade. 
Expor vídeo ou fotos íntimas de alguém, principalmente de alguém com quem divide a intimidade é uma atitude de calhorda, de mau caráter. Alias expor indevidamente a intimidade de alguém não só é moralmente reprovável como é crime. Quem mercê linchamento em praça pública é o autor do vídeo. Um machismo escroto, insegura, canalha e sem escrúpulos. Esse sim merece ser banido da convivência em sociedade. Ele merece ser evitado e enxotado por todas as mulheres. Afinal, quem vai querer estar ao lado de um indivíduo como esse? Fez com Paloma, faz com qualquer mulher!

Paloma Carvalho foi vítima, pronto. Ela teve um vídeo íntimo, em que aparece se masturbando, vazado na internet pelo namorado. Nas mídias foram criadas mais de 20 páginas para expor vídeos e fotos que supostamente seriam dela. Entretanto, conforme ela mesma informa em seu perfil no Facebook, foi vazado apenas um vídeo, o que ela fez, enquanto estava bêbada, e enviou para o namorado. Os demais vídeos, inclusive um em que aparece com vários garotos, não é ela quem aparece nas imagens. 

Nesse episódio, e nos demais, tão deprimente quanto a atitude do namorado, que vazou o vídeo e as fotos, é o linchamento moral que a garota está sofrendo. Os comentários dos seguidores das páginas, que só uma tinha mais de 40 mil visualizações, além de cruéis revelam o machismo a que as mulheres são submetidas por “tentarem” experimentar, vivenciar ou ousar dentro do que lhes permite a liberdade sexual. Infelizmente, a sexualidade feminina ainda é permeada de culpabilização, controle e cerceamento.  
“Ser mulher em uma sociedade patriarcal significa estar sob constante policiamento de  terceiros. Há muitas regras e papéis nos quais as mulheres devem se enquadrar; alguns aspectos, no entanto, são consideravelmente mais constantes e generalizados: entre eles, se destacam a cultura do estupro e o “slut shaming”, respectivamente o enquadramento de mulheres como seres sem agência para negar o ato sexual e o policiamento da sexualidade feminina. As demonstrações de slut shaming são bastante abrangentes: quantas vezes ouvimos que a roupa de uma mulher é curta demais ou seu comportamento atrevido? Há uma enorme variedade de insultos proferidos contra as mulheres, desde os mais pudicos, como “oferecida”, aos mais agressivos, como “vadia” ou “puta”. A sexualidade feminina e sua expressão são constantemente podadas, julgadas e restringidas. Blogueiras feministas.


Enfim, de acordo com a cultura machista a mulher não pode ter sexualidade, do contrário ela deverá pagar pelo petulância com a execração pública. Enquanto isso, nesse processo de exposição, o homem sempre, invariavelmente, sai ileso. Ou melhor, sai mais homem, mais macho, mais viril... E ainda tem gente que diz o machismo na nossa sociedade foi superado. Queriam o quê, praticar a mutilação genital feminina no Brasil também?
Enquanto Paloma e outras garotas sofrem linchamento moral na rua e na internet, o autor da novela Alto Astral, Daniel Ortiz, sob a supervisão de Silvio de Abreu, perde uma grande oportunidade de ajudar essas garotas. Na trama do folhetim, a personagem Itália também tem um vídeo intimo, onde faz sexo com Cesar, vazado na internet. Até aí “a arte imita a vida”. Entretanto, eis que o autor resolve inverter “o fluxo natural das coisas” e quem acaba vazando o vídeo é uma garota, não a vitima, a Débora, sua suposta rival. Sim, porque fora da ficção são as mulheres que vazam vídeos íntimos umas das outras. Preciso dizer que é uma ironia?

Daniel Ortiz
O autor errou feio, errou muito no enredo desse capítulo. Primeiro que a imensa maioria dos vídeos íntimos que vão parar na internet são vazados por homens. E boa parte deles são divulgados pelos ex-namorados, ex-companheiros ou ex-maridos. Foi exatamente por esse motivo que a prática ficou conhecida como pornografia de vingança ou no inglês porn revenge.


“Mas pensa na disparidade entre a quantidade de vídeos vazados por homens e os vazados por mulheres. Eu, particularmente, nunca ouvi falar de mulheres que tenham vazado vídeos ou de caras dizendo que foram xingados, demitidos e perseguidos após ter seus vídeos divulgados na rede. É uma falsa simetria, como eu disse antes. O autor deveria usar sua influência pra denunciar o que ocorre na esmagadora quantidade de casos e os danos que isso causa às vítimas, majoritariamente mulheres.” Anna Rosa.



Pisou na bola também quando reproduziu a ideia sexista de rivalidade entre às mulheres usando como motivação do vazamento vídeo a disputa por um homem, a velha “competição entre mulheres”.  As premissas de que mulheres são desunidas e competem umas com as outras são propagadas e alimentadas pelos homens para provocar a discórdia e rivalidade entre mulheres e dessa forma – os homens – obterem vantagens dentro da cultura machista. Reproduzindo esses preceitos sexistas Daniel acabou usando um problema sério, que até pode levar mulheres ao suicídio, de uma maneira tosca e irresponsável, apequenando, demonizando e amesquinhando as mulheres e alimentando o preconceito contra todas nós.
Daneil Ortiz poderia ter abordado o assunto pela perspectiva positiva. Usar o enredo para empoderar as garotas que já tiveram suas vidas destroçadas por uma violência como essa e para revelar o aspecto criminoso e moralmente reprovável dessa prática. No entanto, o autor optou por subverter a realidade e transformar o habitual agressor em vítima com o claro objetivo de naturalizar a violência de gênero. Expor a exceção (mulher expondo mulher) como se fosse regra acabou gerando a sensação de que mulheres não se importam de terem a intimidade exposta e isso acaba por culpabilizar a mulher, bem como, estimular este tipo de prática, se é que ela precisa de estímulos.
 
O autor deve desculpas à Paloma, às outras vítimas de pornografia de vingança, e a todas às mulheres. Todas nós nos sentimos atingidas pela forma leviana, distorcida e irresponsável como representou um drama tão sério.

 

1 comentário:

Ana Eufrázio disse...

Para ver o perfil do escroto júnior que expõe mulher basta acessar o link https://www.facebook.com/humildadesSempre