sábado, 28 de março de 2015

Moça é insultada pelos “pró vida” porque foi mãe aos 14 anos



Resultado de imagem para maternidade compulsoriaDurante a campanha “provida”, promovida no Facebook condenando o aborto, onde mães eram desafiadas a postarem fotos grávidas dizendo que optaram por levar a gravidez adiante, Luciana Campos Rodrigues foi desafiada a postar sua foto grávida se posicionando contra a interrupção voluntária da gravidez. Luciana não aderiu a campanha. Ao invés disso escreveu um depoimento comovente relatando as dificuldades pelas quais passou por conta da gravidez na adolescência e sobre como fora obrigada a prosseguir com a gravidez indesejada. Leia clicando aqui. O depoimento apesar de revelar uma história muito dura, muito dolorosa e bastante sofrida não conseguiu sensibilizar alguns dos leitores. 
Resultado de imagem para maternidade compulsoria 
A confissão verdadeira, intensa e marcante expondo o lado cruel da maternidade compulsória levou Luciana a sofrer uma intensa hostilização nas redes sociais, ser denunciada e bloqueada por um mês pelo site Facebook. Depois de todas as agressões que sofreu por conta de sua posição favorável ao direito de escolha das mulheres Luciana escreveu o desabafo que pode ser lido abaixo.
“É muito fácil ser pró vida contra o aborto mas ser pró vida e ter respeito e empatia pela vida alheia, não...
Resultado de imagem para maternidade compulsoriaSe você acha que não tem a ver, tem sim, tem tudo a ver...
O intuito do meu post era dizer que toda pessoa tem direito de optar pelo o que quer fazer com o próprio corpo, não criei aquele post pregando o nazismo e mandando todo mundo abortar...
O intuito dele era combater essa campanha de desinformação que muitas mulheres pró vida estão criando no Facebook, promovendo ignorância e criminalização de outras mulheres...
Resultado de imagem para maternidade compulsoria
Se você escolhe seus parceiros, se você usa roupa curta, se você faz qualquer coisa com seu corpo e exige respeito por isso e luta pelo direito de assim fazer, não deveria se dizer pró vida julgando como criminosas as outras mulheres quando elas mesmas não podem optar pela própria vida ou decidir o que fazer com o próprio corpo...
Ocorre exatamente quando um homem quer o seu corpo e não te permite escolher se você também o quer ou não. Não ter o direito de optar é uma violação do seu direito vital de gerenciar a própria vida, do seu direito de, enquanto cidadã, exercer ou não a maternidade... Não se trata de aborto [...] se trata de autonomia do ser, no caso, da mulher...
Resultado de imagem para maternidade compulsoriaEstamos em 2015 e é inadmissível que a mulher não tenha conquistado a sua autonomia nesse sentido...
Vinculado ao coro de outras mulheres que reproduzem o discurso machista, com mentalidades retrógradas e ignorantes que lutam a favor da permanência da criminalização de algo que nos deixa ainda mais presas ao sistema patriarcal e capitalista e bem longe duma realidade de liberdade total sobre si mesma...
Não consigo acreditar que muitas mulheres comentaram algo como "bem feito, quem mandou transar", como se elas estivessem longe de passar por isso... Não, vocês não estão isentas de passarem por isso, pois muitas mulheres casadas, engravidam tomando pílula ou qualquer uma está sujeita a ter uma camisinha estourada e de repente se vê numa situação de gravidez indesejada...
Isso pode acontecer com qualquer mulher, aos 14 anos, aos 25, aos 30, não importa a idade, o estado civil ou classe social...
Resultado de imagem para maternidade compulsoria
Condenar uma mulher que consensualmente teve uma relação sexual mas que não quer assumir uma gravidez indesejada, precoce ou não, só mostra o paradoxo da sociedade doente e deturpada que vivemos. Uma sociedade em que as mulheres que abominam estupro, por ser algo que não é algo indesejável e que viola a liberdade e autonomia sobre o próprio corpo, acabam sendo exatamente as mesmas que viram no meu relato, de uma gravidez forçada, um " bem feito", "tem que aprender a deixar de ser besta", " quem mandou abrir as pernas" e denunciaram a foto por violência explicita...
Resultado de imagem para maternidade compulsoria
Essa propagação de ignorância, machismo e preconceito, além do desejo de permanência da criminalização de mulheres que ainda são vistas como "assassinas" quando optam clandestinamente pela autonomia do próprio corpo, tem que acabar...
E se for preciso publico quantas vezes achar pertinente a foto que enaltece a “violência explicita” da ignorância de vocês. .
Beijos de luz!!!
(Luciana Campos Rodrigues)
Resultado de imagem para maternidade compulsoriaQue tipo de gente pode ler um relato tão chocante quanto o de Luciana e ainda assim achar que ela mereceu passar por tudo que ela passou simplesmente para aprender? As mulheres precisam realmente ser punidas por fazerem sexo? Porque os homens não precisam ser punidos por fazerem sexo? Segundo essa lógica somente os homens devem fazer sexo. Mas, então porque o sexo entre homens também é tabu?
Nada numa sociedade machista parece fazer sentido. Exceto o abuso de mulheres, a violência contra as mulheres, o sofrimento das mulheres e as dores que a elas são impingidas. Qualquer a agressão às mulheres fazem muito sentido. Porque nas sociedades patriarcais nós merecemos, nós provocamos... Nesse sistema a maternidade não é uma escolha.
Resultado de imagem para maternidade compulsoriaA gravidez não deveria ser um mecanismo de punição de mulheres. A obrigação de gerar e criar filhos indesejados não poderia se converter num problema para a própria sociedade?
Eu não tolero a tremenda hipocrisia das pessoas que veem num embrião, que a depender do estágio de gestação não difere do embrião de qualquer outro mamífero, uma criança a ser protegida, mas que sequer é capaz de baixar o vidro do carro para dizer um “não” cordialmente a criança pedinte ou que trabalha limpando vidro de carros. 
Resultado de imagem para maternidade compulsoria
Vida a ser protegida é de Luciana que foi sistematicamente espancada pelo pai, pelo marido e que a sociedade lhe virou a cara todas as vezes que precisou de pelo menos uma palavra de consolo. Vida a ser protegida é de uma mulher que sabe que não tem condições de levar adiante a gravidez e que, irremediavelmente, decide pelo aborto clandestino. Vidas que precisam ser protegidas são as de milhares de crianças nos orfanatos e de outros milhares de crianças na rua se drogando, sendo abusadas e exploradas sexualmente nas ruas. Vidas que precisam ser salvas são das crianças trabalhando em carvoarias, em lixões, em confecções clandestinas ou aquelas que reiteradamente estão sendo violentadas pelos pais...
Resultado de imagem para crianças abandonadasMenos hipocrisia e mais ação. Vamos cuidar das crianças que realmente estão indefesas e vamos deixar de cuidar da vida das mulheres, que por acaso a gente se sequer sabe se estão gravidas ou não. Do contrário, vamos olhar nos olhos das crianças que gritam por socorro e vamos dizê-las que elas não importam, que nos importamos realmente com aquelas que são apenas uma expectativa de vida e que sequer sabemos que existem. Vamos cuidar dos seres que nem sabemos que existem e ignorar os que sofrem à nossa vista. Muito sublime isso!

4 comentários:

Anónimo disse...

Sinto em te dizer, mas essa Luciana Rodrigues (vulgo Ana Bolena), é uma mitomaniaca muito conhecida nas redes sociais. Ela foi mãe aos 14, mas o resto da história é pura mentira.

Anónimo disse...

Ana Bolena tem estórias tão mirabolantes quanto as de Chicó - de O Alto da Compadecida. Só não se sabe se ela mente por amor a arte ou por maldade mesmo.
Então, num pague mico fazendo post pra essa mulher não!

Anónimo disse...

Assino embaixo os comentários acima, tudo verdade!

Ana Eufrázio disse...

A história de vida de Luciana pode ser fictícia ou mentirosa, mas o insultos que ela sofreu foram reais, eu os vi. Também foram reais os insultos que recebi quando cedi uma entrevista para o jornal O Dia falando sobre o aborto que fiz quando fui estuprada. A maternidade é compulsória para mulher independente das circunstâncias da gravidez. A sociedade continua punindo as mulheres seja ela sincera ou mentirosa, jovem ou idosa, casada ou solteira por contam da sua sexualidade. Vivemos sim numa sociedade misógina e sendo punidas cotidianamente pelo simples fato de sermos mulheres.