terça-feira, 27 de maio de 2014

Prazer feminino: A cultura da mutilação




Seja literalmente ou ideologicamente, em todo o globo, continuamos sendo mutiladas no nosso direito a sexualidade. Se em muitos países africanos a mutilação ocorre a partir da extirpação do clitóris no restante dos países e em outros continentes a mutilação ocorre ideologicamente, através da demonização do prazer e masturbação femininos. Naturalmente, alguns vão dizer que extrapolei na dose e errei a mão nesse comentário e que hoje o prazer feminino é estimulado, que nós mulheres temos muita liberdade sexual, que não existe mais tabu com relação à sexualidade e prazer femininos. MAS ISSO FUNCIONA MUITO BEM NA TEORIA, porque na prática as mulheres continuam sendo barbaramente reprimidas em sua sexualidade e o sexo ainda continua sendo usado como mecanismo de punição, seja através da ideia de que estupro puni aquelas que ousam mostrar o corpo ou quando é usado como "mecanismo" de “correção de lésbicas”. Para além da controle ideológico do tabu, mulheres são mutiladas ainda na infância de forma que não possam experimentar o prazer sexual. 
De acordo com a ONU, estima-se que mais de 120 milhões de mulheres não sentem prazer durante a relação sexual. Além disso, muitas delas sofrem dores intensas durante as relações sexuais em decorrência das Mutilações Genitais Femininas (FGM), práticas que consiste mais frequentemente na excisão do clitóris.
“A prática está caindo em desuso em quase todos os países, mas ainda está assustadoramente espalhada pelo mundo, informou a Organização. Embora dados estatísticos seguros sejam difíceis de obter, estima-se que mais de 125 milhões de meninas e mulheres tenham sido mutiladas em 29 países na África e no Oriente Médio, onde a prática prevalece e onde há dados disponíveis. Se as tendências atuais persistirem, cerca de 86 milhões de meninas em todo o mundo estão sujeitas a sofrer a prática até 2030. “Ásia, Europa, América do Norte e outras regiões não são poupadas e devem estar igualmente vigilantes para com este problema”, destacou Ban secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. ONU.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde :
"
A Mutilação Genital Feminina (ou excisão) engloba todas as intervenções cirúrgicas que consistem em remover total ou parcialmente os órgãos genitais externos da mulher ou causar-lhes outras lesões por razões culturais, religiosas ou não terapêuticas."
Nas áreas rurais dos países onde ainda são realizam as excisões esses procedimentos são realizados de forma bastante rudimentares e através de um processo extremamente traumático; muitas meninas, até bebês com menos de 12 meses, têm as pernas e os braços amarrados, em seguida, com o uso de giletes e outros objetos cortantes e sem a correta higienização ou anestesia, as meninas sofrem as excisões. Alguns desses procedimentos quando não levam à morte, provocam infecções que podem perdurar por toda a vida. Nos casos de meninas de classe social elevada, em áreas urbanas, o procedimento pode ser realizado com assistência médica, em hospitais e ambulatórios.

A Mutilação Genital Feminina pode normalmente é realiza segundo 4 modalidades.
FGM de tipo 1, ou clitoridectomia, o clitóris é pinçado com os dedos, indicadores e polegar, tracionado par pra fora e amputado.


FGM de tipo 2, consiste em retirar não apenas o clitóris mas também os pequenos lábios total ou parcialmente;

FGM de tipo 3, ou infibulação, é a forma mais extrema e consiste na remoção do clitóris e os lábios menores, juntamente com a superfície interior dos lábios maiores. Os lábios maiores são unidos através de pontos ou espinhos/picos e as pernas são atadas durante 2 a 6 semanas.
Nesse procedimento, é deixada uma pequena abertura para permitir a passagem de urina e sangue menstrual (tem normalmente 2-3 cm de diâmetro, mas pode chegar a ser tão pequena como a cabeça de um fósforo).
Na infibulação, além dos riscos de infecção, dores e infecções urinárias, também há riscos durante o parto: de acordo com estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde), a mortalidade de bebês é 55% maior em mulheres que tiveram redução do orifício vaginal. Em alguns casos, o que resta dos lábios vaginais é costurado novamente pra assegurar o prazer do marido.
FGM de tipo 4, nesta última categoria de FGM associado ao corte da vagina, realizado geralmente com a utilização de um instrumento afiado, inclui-se ainda um conjunto de práticas não enquadradas nos tipos anteriores, tais como a cauterização por queima do clitóris e do tecido envolvente; raspagem do tecido no entorno do orifício vaginal; indução de sangramento com o propósito de estreitar o canal vaginal realizando a introdução de substâncias corrosivas ou ervas na vagina.

A mutilação genital feminina é mundialmente reconhecida como uma violação dos direitos humanos. A circuncisão feminina é praticada em mais de 28 países africanos, na cultura de alguns deles, tais como a Somália, Guiné-Bissau, Djibuti e Egito, onde mais de 90% das meninas são circuncisadas, a prática é considerada fundamental na preparação da mulher para a vida adulta e o casamento. A mutilação é um dos mecanismos de controle da sexualidade feminina, imagina-se que através dela se possa garantir a virgindade e a fidelidade, questões que são altamente valorizadas em culturas machistas e patriarcais.
Atualmente, de acordo com os novos dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) divulgados recentemente, menos meninas são submetidas a excisão.
Os dados mostram que a geração mais jovem está menos vulnerável à MGF. Nos 29 países da África e do Oriente Médio, onde a prática está concentrada, uma média de 36% das garotas com idade entre 15 e 19 anos foram mutiladas, comparadas com uma estimativa de 53% de mulheres com idade entre 45 e 49 anos. O declínio é particularmente acentuado em alguns países: no Quênia, por exemplo, as ocorrências de mutilação genital feminina em mulheres de 45 a 49 anos são três vezes maiores que entre garotas de 15 a 19 anos. No total, ao menos 120 milhões de garotas e mulheres sofreram MGF/E nestes 29 países. De acordo com as tendências atuais, cerca de 30 milhões de garotas com menos de 15 anos ainda podem estar em situação de risco. “Este progresso revela a possibilidade de acabar com a MGF/E”, disse o Diretor Executivo do UNICEF, Anthony Lake. Desde 2008, quando o Programa Conjunto do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do UNICEF para a MGF/E foi implantado, cerca de 10 mil comunidades em 15 países, representando cerca de oito milhões de pessoas, renunciaram à prática. No ano passado, 1.775 comunidades espalhadas por toda a África declararam publicamente o compromisso em acabar com a MGF/E.ONU.
No Egito, onde o rito da mutilação genital atinge 90% da população feminina (vale repetir), foi lançada uma campanha, que pretende erradicar do país a prática, Dia Internacional da Tolerância Zero Contra a Mutilação Genital Feminina (ou ablação). Em alusão a esse dia as egípcias se uniram para sensibilizar o país sobre esse esquema machista que continua a ser praticado livremente sob a alegativas dever religioso. 
O Centro Canal para Estudos de Formação e Pesquisa é o responsável, junto com outras associações civis egípcias, por esta campanha, que considera inconcebível que o Egito seja um dos países com maior número de mutilações genitais no mundo [...] A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o dia 6 de fevereiro como o Dia Mundial da Tolerância Zero contra a Mutilação Genital Feminina, por considerar essa prática ‘nociva e uma violação dos direitos básicos das meninas e das mulheres’[...] No Egito já há leis que penalizam a ablação, mas ‘isso não será útil até que se consiga sensibilizar as pessoas que vivem arraigadas a essas crenças’, disse Tareq Anis, presidente da Sociedade Pan-Árabe de Medicina Sexual e professor de sexologia na Universidade do Cairo. Em junho de 2008, por causa da morte de uma adolescente que sofreu complicações após ser submetida à mutilação genital, a prática passou a ser crime previsto no Código Penal egípcio com penas de prisão de três meses a dois anos de prisão, e multas de até US$ 800[...] Os dados indicam que a prática começa a diminuir entre meninas e mulheres da nova geração, mas os especialistas se queixam que o número continua sendo muito alto e pedem que se sensibilize sobre esta prática cultural, e não religiosa, advertem. ‘Ainda há gente que pensa que isto é algo religioso e não é assim, é questão de cultura e de tradição. No Egito é praticada por muçulmanos e cristãos, enquanto na Arábia Saudita, Indonésia ou Malásia, certamente nem nunca ouviram falar sobre mutilação genital feminina’, explicou Anis. O sexólogo acrescentou que, até pouco mais de três anos, o número de mulheres que sofria a ablação chegava aos 98% no Egito, mas hoje, garante, já se pode falar em 80%. Os especialistas estão de acordo que a regulação da prática deve ser acompanhada de educação sobre as graves consequências da mutilação genital, que reduz o desejo sexual das mulheres e não tem nenhuma utilidade médica. Os últimos dados oficiais, de 2008, comprovam que 91,1% das mulheres com idades entre 15 e 49 anos sofreram a amputação do clitóris, o que deixa o Egito em quarto lugar entre os 29 países que realizam habitualmente a prática.” Uol.
Apesar da redução dos números de mutilações não se admite que essa prática continue ocorrendo, ainda que somente uma mulher tivesse de passar por isso. Não é possível tolerar que uma barbárie como essa seja pratica em prol do prazer e da segurança masculinas. O patriarcado e o machismo não podem estar acima da saúde e sexualidade femininas em hipótese alguma.

4 comentários:

Célia Rodrigues disse...

É caríssima Ana Eufrázio, diante de barbárie tamanha, eu me pergunto, se o aborto incomoda muita gente que afirma ser um "assassinato" o que essa prática cruel que muitas vezes leva a morte de garotas, significa na visão das pessoas?
Hipocrisia é o que domina hoje todos os sistemas... Culturas antigas que nem a ONU nem outros segmentos dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes do mundo conseguiram coibir! Isso é a treva!!!!

Anónimo disse...

Engraçado, numa comunidade a mulherada dizia que prefere os circuncidados e aí?

Ana Eufrázio disse...

Engraçado? É trágica a comparação que você faz!
Você está sendo de uma ignorância que choca.
Caso você não tenha se dado ao trabalho de ler o artigo completo eu faço questão de repetir que as mulheres têm a genitália mutilada. Em decorrência disso, muitas garotas morrem. E qual a finalidade disso? Evitarem que as mulheres sintam prazer e, em alguns casos, para ampliarem o prazer masculino. Mulheres, sofrem infecção, sentem dor nas relações sexuais, não sentem prazer durante o ato e até podem morrer e você compara essa calamidade a circuncisão, que muitas vezes são necessárias para controlar doenças em homens e quase sempre é utilizada para prevenir doenças porque os homens costumam não lavar devidamente o pinto! Quer que a gente tenha peninha de macho que não sabe sequer lavar o pinto enquanto mulheres são mutiladas para o prazer do homem? Vá passar vergonha em outro espaço! Aqui é um espaço para discussão séria!

alcidio chissico disse...

Sinceramente, gostava de apelar a analises imparciais pois, a pratica em voga tem sua razao de ser no contexo em que se pratica. Mais do que diabolizar a pratica ou adora-la importa buscar as causas da sua instituicao e avaliar tambem os provaveis beneficios que ela traz aos seus praticantes.Eu, particularmente, nao submeteria ningem a tal ritual porque nao fui educado para aceita-la e valoriza-la porem, julgo ser mais uma das varias praticas culturais dos diversos povos do mundo que nao beneficiam da toleracia da cultura ocidental. A dica consiste em: Viva e deicha viver!