segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O baile


Por Ana Eufrázio


Ela ainda não teria quinze anos. Era, ao meu ver, ainda uma criança. Perco-me em recortes que possam recriar a figura da minha mãe. Como seria? Penso que deveria ser parecida comigo. Poderia ser magra, ter lábios carnudos, cabelos compridos, pele bronzeada de sol. Com certeza seria tímida, teria poucas roupas, não saberia dançar e não conheceria as músicas tocadas pelos bailes da cidade. Ainda chamaria as festas de tertúlias, usaria perfume da Avon e vestiria saias plissadas em tergal. 
Estela estaria na casa de uma amiga se produzindo pra o baile de logo em seguida. Em seu estômago centenas de borboletinhas voavam, se tocavam e roçavam delicadamente suas paredes. O banho demorado, a dúvida sobre o que vestir, se a saia azul turquesa com blusa de cetim preta, ou se vestido frente única vermelho e sandálias plataforma dourada. O batom vermelho derraparia levemente o contorno dos lábios, o blush rosa expandiria a bochecha até o canto da boca e o lápis contornaria sinuosamente de um canto ao outro do olho. Ver-se ante o espelho a faria deixar despencar pequenas gotas de lágrimas. Na agonia do quarto se ouvia o tilintar agudo do tremor de suas pernas.  Estaria pronta? Não, inexoravelmente não estaria pronta. Nem em mil anos estaria acabada pra sua estreia.
Todavia, ouvia-se ao longe rasgos de guitarra, a percussão da bateria e os testes do microfone. Da janela da sala surgiam burburinhos de moças e repazes que sorriam, falavam e cantavam. Sobre a mesa a lamparina anunciava o fim do querosene, a chama deslizava de um lado a outro ensaiando seu ato final. Através do lençol branco, que fazia às vezes de porta, viam-se as sombras passando, era o entra e sai dos rapazotes que também estariam na festa e que, assim como as moças, se aprontavam pra sair. Dona Lúcia, mãe de Rejane, desfilaria uma centena de recomendações e conselhos que deveriam ser seguidos à risca. Não poderiam beber, chegar depois das onze, sair de perto dos irmãos, dançar com estranhos, voltarem sozinhas...
  Talvez Rejane, amiga de Estela, não tivesse noção do que representaria aquela aventura pra vida da minha mãe. Dona Estela conheceria o homem que mudaria a sua vida irreversivelmente. De todos os homens que passaram por ela, os que a encararam, dos que a ignoraram, dos que a chamaram pra dançar, ela optou por seu Chico Quebra Rádio. 
Como teria sido o primeiro encontro deles? Estaria dona Estela sentada diante de sua mesa, e ele insistiu em buscar seu olhar?
Certamente ele chegou até sua mesa, cumprimentou Estela, Rejane e seus irmãos. Ofereceu um gole de bebida pra os rapazes e uma Coca-cola para as moças. Olhou nos olhos da minha mãe e ela retribuiu de canto de olho com um sorriso tímido, amarelo e gaiato. Meu pai a convidou pra uma dança. Seria apenas pretexto para tira-la da mesa e leva-la pra um canto. Com reservada delicadeza a imprensou entre ele e à parede, esticou o braço direito e encostou a mão no muro, a mão esquerda tentaria levar o copo de cerveja a boca de Estela. Ela recusou e tentou se desvencilhar de seus braços. Ele ousou mantê-la sob seu controle. Entretanto ela lhe escapou e lhe virou as costas fazendo a saia girar e ele caminhar em sua direção. Ao voltar-se pra trás, levantando levemente a saia, deu de cara com ele. Neste momento ele a segurou pela mão e prometeu nunca mais deixa-la fugir novamente.
Imagens: http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/foto/0,,15141084,00.jpg 
http://2.bp.blogspot.com/-6FlIadP-FtE/TsGSFEOC5dI/AAAAAAAAU1Q/BhlDyclvFnc/s640/1978-dancin-days-1g.jpg
http://4.bp.blogspot.com/_4JlaCBjHT6A/SQmXIu8usyI/AAAAAAAAAC0/uX3OFDJyWdI/s320/584_anos70extra_07.jpg


Sem comentários: