segunda-feira, 21 de abril de 2014

Faustão provoca ira na comunidade negra



Há algum tempo atrás fiquei estarrecida com a notícia de que um garoto de 08 anos foi impedido de se matricular numa escola por usar cabelo estilo black power, vejam abaixo a notícia e a repercussão que foi gerada,
http://1.bp.blogspot.com/-EfBPd2iTvew/Ukoa093pxkI/AAAAAAAAAb0/rOlZZs5mT88/s1600/ellen-oleria.jpg
Ellen Oléria

“A mãe de um aluno de 8 anos do Colégio Cidade Jardim Cumbica, em Guarulhos (SP), diz que a escola constrangeu o seu filho e pediu que ele cortasse o cabelo, definido como "crespo e cheio" pela diretora. A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar a escola por suspeita de negar matrícula ao aluno por causa do cabelo. Segundo a polícia, o colégio foi notificado sobre o inquérito e o responsável deve comparecer ao 3º Distrito Policial da cidade para dar depoimento nesta segunda-feira (9). De acordo com Maria Izabel Neiva, o seu filho foi chamado pela direção da escola em agosto para falar do cabelo. ‘Ele não me detalha o que ela disse, só conta que teve muita vontade de chorar’, afirma. Em seguida, o garoto começou a sofrer bullying dos colegas, que o chamavam de ‘mendigo’ e ‘cabeça de capacete. A mãe então recebeu um bilhete no caderno do aluno, dizendo que ele estava reclamando do cabelo, ‘que caía no olho’, e pedia que fosse cortado. Em seguida, a mãe respondeu que não teria como o cabelo do garoto cair no olho, já que não era liso, e que a direção a convidasse para conversar sobre o assunto e não mandasse mais bilhetes. A diretora então respondeu com um novo recado dizendo que o corte não era usado pelos alunos do colégio. ‘Eu decidi, então, ir até lá pessoalmente e disse que era um absurdo chamar uma criança para falar da sua aparência física’, diz Maria Izabel. A diretora teria dito que o regulamento da escola não permitia o uso de vestimentas ‘extravagantes’, fazendo uma referência ao cabelo do garoto. ‘Ela disse que um cabelo crespo e cheio não é adequado, e que atrapalha os colegas de enxergarem a lousa". A mãe afirma que não havia motivos para cortar o cabelo do filho, que é alto e sentava no fundo da sala. A diretora, por sua vez, teria respondido que no próximo ano ‘poderia não chamá-lo para fazer a rematrícula’. No último dia 3 de dezembro, Maria Izabel tentou matricular o filho no 4º ano do ensino fundamental, para o ano letivo de 2014, e foi informada de que não havia vagas. No mesmo dia, outras mães teriam conseguido assegurar a vaga sem nenhum problema.[...] Ela então procurou a direção da escola, soube que teria que entrar numa fila por vagas e registrou um boletim de ocorrência no 3º DP de Guarulhos, que investiga o caso.  Bol Notícias. 
Um caso que também chocou a opinião pública, e acredito que ainda não deu tempo de nos esquecermos, foi o do menino Jaiminho, filho de  Niko, na novela Amor a Vida, que sofreu ameaça de ter cortado seu cabelo em estilo black power simplesmente porque o autor da novela entende que uma criança negra adotada por uma família branca e de classe média não poderia manter o cabelo afro. 


Não demorou muito para que a Rede Globo de televisão voltasse a ser assunto nas redes sociais ao ver-se envolvida em mais um caso polêmico envolvendo a comunidade negra. Através do domingão do Faustão pudemos perceber claramente evidenciada a cultura racista da sociedade brasileira e é claro, na sua forma mais cruel, em “tom” de brincadeira, ao assistir o Fausto Silva referir-se à Arielle Macedo como “aquela de cabelo de vassoura de bruxa”. A agressão quase passou batida devido a rapidez com que falou.
“Sim, ele falou. Era tom de brincadeira, mas em Rede Nacional. Não saiu em lugar nenhum a não ser em um ou dois sites de notícias que não são os gigantes. Nada de UOL, nada de Jornal O Dia, Terra, TV Fama, Rede Record, nada. Só veículos de comunicação alternativa, blogs e páginas de Facebook. Numa fala completamente despercebida, Faustão soltou naquele tom debochado (nada engraçado) de sempre a frase "Aquela de cabelo de vassoura de bruxa", ao falar sobre Arielle Macedo, bailarina da Anitta e nossa conterrânea, aqui de São Gonçalo. O caso é grave (ponto). Não só por se tratar do "black power", mas vai além, o tom pejorativo da brincadeira consegue ofender diversas pessoas que estão fazendo a transição para o cabelo black ou as pessoas que já o possuem. Uma boa retratação pública, já daria conta num próximo Domingão do Faustão, de no mínimo, respeitar e assumir que falou MERDA. Não podemos ter apresentadores de TV, num domingo (todas as idades em casa) de ibope alto, falando dessa maneira, tendo em vista a representação estética que sua fala possui. Não vou nem mencionar o fato do pouco número de negras no ballet do Faustão, Dança dos Famosos (atores e bailarinos) ou no arquivo confidencial que de agosto do ano passado até hoje, só teve 2 negros em 18 edições. A disputa vai além, vai na abertura de apresentadores negros e de origem popular, vai na abertura da TV para narrativas de negros e de origem popular e vai no entendimento de que um Black Power não é só um cabelo, mas sim uma representação de identidade coletiva e individual. Que ele peça desculpas em Rede Nacional e que um dia, todas as pessoas com "Vassoura de Bruxa", como diz Faustão, tomem ainda mais a TV, para que casos como esse, não sejam motivos de risada e sim de reorganização do conteúdo da TV.  Romário Régis.
Assista ao vídeo - G1.


Foto: Pra quem estava esperando, terminei! :D
Espero que gostem ^^
feito para a page: "Cachos, Cachinhos meus"
*lembrando meu instagram, se quiserem @felipeheloi
Desenho de Felipe Heloi
A estereotipação da beleza feminina, e a tendência de estabelecer o padrão europeu ariano com ideal de beleza, é uma das principais formas de opressão contra a mulher, principalmente a negra.  Apesar de beleza ser conceito subjetivo, e como tal poderia variar conforme a cultura e até de indivíduo para indivíduo, “estabeleceu-se” um conjunto de características que devem atendidas para que, principalmente, as mulheres sintam-se bonitas.

 Então, a mulher negra, que já sofre a estigmatização por sua cor, por sua condição de mulher, tem sua beleza negada por ter o cabelo crespo e acaba por tornar-se refém do “mercado da beleza”.  Não podemos negar que o negro vem sistematicamente sofrendo pressão para que descontrua sua imagem natural. O cabelo enrolado é apenas um dos aspectos do negro que “precisa” ser negado ou desconstruído. Esse processo perpassa pela deculturação, através da discriminação dos cultos, rituais, arte afro e outros. O mecanismo de supressão de identidade é uma estratégia ideológica que não só tem a finalidade de oprimir, de segregar e dominar, como também impede que o negro dispute em condição de igualdade com branco as oportunidades de ascender socialmente. 
http://3.bp.blogspot.com/-EOntckq5YhE/UuV4XToRKzI/AAAAAAAABF0/vlIc9mkFJII/s1600/negra+i.jpg 
A imposição do cabelo liso como “referência” ou como “indicativo de zelo/higiene” ajudou a consolidar a indústria da beleza como um dos segmentos mais lucrativos da atualidade. São produtos da indústria do branco, que produz para o branco ter lucro a partir da exploração do trabalho do negro que também consome seus produtos.
Reprodução/Facebook
Trote na UFMG

Nesse sentido o racismo serve bem a uma classe, a classe dominante, eminentemente branca. E enquanto ele predominar, através da mídia e outras instituições enfatizando que o cabelo afro ou black power é “vassoura de bruxa” ou “gente rica não deixaria o filho com o cabelo em estilo afro”, a indústria da beleza irá muito bem, obrigada.

3 comentários:

Ana Fields disse...

eu sofri demais na escola por conta do meu cabelo.
sempre me chamavam de assolan, de diarista, bom bril e essas coisas. pegavam no meu cabelo e fingiam se machucar, pediam pra eu varrer a escola com ele. era péssimo
aí comecei a alisar o cabelo. fazer relaxamento, chapinha, escova progressiva, inteligente, de chocolate, marroquina ou o que fosse.
só ano passado eu resolvi assumir meu cabelo natural
mas ainda tive que ouvir da minha própria família, antes de conhecer a família do meu namorado, que eu deveria voltar a alisá-lo porque tava parecendo uma mulamba e eles não gostariam de mim assim. chorei muito ):
mas não alisei e nem voltarei a alisar. amo demais meus cachos.

também respeito quem decide alisar o cabelo. entendo, na verdade.
já perdi as contas de quantas vezes fui dormir chorando e pedindo a deus que pra no dia seguinte eu acordasse de cabelo liso kkk parece bobagem, mas isso me afetou demais. grande parte da minha baixa auto-estima é por causa do que as pessoas falavam sobre o meu cabelo.
perdi muitas horas da minha vida e muita paciência tentando deixá-lo escorrido.
mas agora ficou tudo isso ficou pra trás.
pra ferir a minha auto-estima agora as pessoas têm que passar pelo escudo que virou meu cabelão volumoso, crespo e chei dos cachos

Anónimo disse...

Aiiiii o povo ta muito cheiooo de nehnnhenehen ekaaaaaaa...tudo é ofensa tudo é bullying...geração doente isso sim!!! vivi em um período que falavam no colégio do meu cabelo estilo cuia (índio)filha do vento (por ser filha de mãe solteira) botijão (por ser gordinha) e nem por isso me matei ou matei alguém ou entrei em depressão, já que meus colegas viam essas características eu ria junto com eles e no companheirismo tbm encontrava suas características cebelo de bombril,nega do codó, olivia palito, seu madruga, mudo etc...riamos todos juntos dos termos pejorativos que dávamos uns ao outros ninguém arquitetou plano de matar ninguém,ninguém se ofendia e nem vivia em depressão...tudo era brincadeira e gargalhada...há vão crescer bando de doentes politizados do século 21.

Anónimo disse...

Vão tomar no cu.. Tudo é racismo, nada é brincadeira.
Enquanto ficarem procurando preconceito e maldade principalmente em brincadeiras estarão contribuibdo pra gerar um pensamento de conflito nas pessoas.
Se fosse uma brancona, dos olhos claros e com o mesmo cabelo vocês fariam esse alarde? Não! Não fariam mesmo.
As pessoas tem características inegáveis, mas querem que sejam imperceptíveis. Um gordo não pode ser chamado de gordo, um alto não pide ouvir nada sobre sua altura, um negro não é mais negro, é algo como "afrodescendente" msm que a cultura afro não esteja presente no indivíduo, um asiático "não tem" olho puxado etc, mas o branco pode ser o "branquelo', "alemão", "vela" e por aí vai..!? Respeitar as características de todos não é negar, é reconhecer e não ter medo de assumi-las. Nunca deixaria de brincar com meus amigos e conhecidos sabendo que não estarei fazendo mal a eles.